Anunciante

sábado, 30 de janeiro de 2010

Altar do Sol e da Lua

A ISCI (Iniciativa Internacional de Cidades Solares) foi inicialmente idealizado por cientistas que queriam uma maior divulgação e aplicação da energia solar na sociedade, buscando um diálogo entre ciência e política. Fundada em 2003, a ISCI está alcançando seu objetivo de fornecer meios rápidos para um futuro sustentável para a humanidade, com a máxima utilização da energia proveniente de fontes renováveis. O congresso da ISCI acontece a cada dois anos. O primeiro foi na Corea em 2004, e nos bienios seguintes nos EUA, Inglaterra e Austrália. Este ano, a China será a sede do 4º Congresso Mundial de Cidades Solares. A importância da realização deste evento na China está no alerta para uma mudança em sua matriz energética, que hoje é 70% proveniente da queima do carvão. O edifício principal do evento já está em funcionamento, localizado no "Vale Solar" na cidade de Dezhou. O prédio segue o formato de um relógio de Sol e possui área de 75 mil metros quadrados. Neste edifício funcionará um salão de ciência e tecnologia, um hotel sustentável e o centro de convenções com mais de dez auditórios, onde acontecerá o congresso. É o maior edifício do mundo movido a energia solar, símbolo de economia de energia, proteção ambiental e demonstração de ciência e tecnologia. No total serão economizados 82,5% da energia utilizada. O edifício foi denominado Altar do Sol e da Lua, tendo os caracteres chineses para Sol e Lua em sua arquitetura. Foram instalados 5.000 metros quadrados de placas solares em seu telhado. Sua cor branca representa energia limpa. 
A sustentabilidade não está apenas em suas placas solares, mas em todo o complexo edificado. Foi utilizado apenas 1% do aço do que o necessário para o estádio ninho do pássaro. Pioneiro em algumas tecnologias de conservação de energia, o projeto inclui uma série de avanços técnicos que irão impulsionar a aplicação em massa da energia solar. Dezhou pode seguramente ser denominada uma cidade solar pois, entre as 5,5 milhões de pessoas que vivem nesta cidade, a maioria delas optou por sistemas solares de aquecimento de água. Nesta cidade, a energia solar é onipresente, desde a iluminação pública aos veículos turísticos. O Greenpeace apresenta que, em 2007, 800 mil pessoas em Dezhou tinham empregos na indústria de painéis solares, o que deverá crescer para 1,5 milhão em 2020.
(obs.: se alguém encontrar o nome do arquiteto, por favor, me avise)
 
Fonte: http://www.chinasolarcity.cn/Html/dhcc/151757172.html
          http://www.isci-cities.org/
          http://www.alternative-energy-news.info/china-largest-solar-office-building/

domingo, 24 de janeiro de 2010

Hotel Unique



Um arco com quase 100 metros de comprimento repousa sobre duas empenas de concreto nas laterais, com 25 metros de altura. Assim pode-se sintetizar o projeto do arquiteto Ruy Ohtake para o Hotel Unique, em São Paulo-SP, que é considerado por alguns como uma obra de arte urbana. O acesso do hotel e do Centro de Eventos (para 1.500 pessoas) é pelo grande espaço vazado nas laterais, com 25 metros de altura que vão descendo em curva. O revestimento em placas de cobre pré-oxidadas dão os tons de verde à fachada, composta por janelas circulares de 1,80m de diâmetro. O hotel possui 96 apartamentos distribuídos em seis pavimentos. Os apartamentos das pontas possuem o piso curvo até encostar no teto, acompanhando o desenho da fachada.


O térreo possui o teto curvo e abriga recepção e bar. Na cobertura está o restaurante com um bela vista da cidade de São Paulo e ainda, uma piscina inusitada, com revestimento na cor vermelha, iluminação de fibra ótica e sonorização subaquática (quem mergulha ouve música). O edifício ainda conta com três subsolos de estacionamento e infra-estrutura, totalizando os 23 mil metros quadrados de área. O projeto estrutural foi desenvolvido pelo escritório Júlio Kassoy e Mário Franco. Embora a estrutura dê a impressão de estar sustentada por duas empenas laterais de concreto, estas não têm função estrutural. Servem apenas como apoio visual e para contraventamento. Na verdade, são as empenas de concreto das fachadas, principal e posterior, com 90 m de comprimento, que sustentam a estrutura e trabalham com os pilares principais, além de fazerem a vedação do hotel. Com espessura de 30 cm, elas foram protendidas em três faixas horizontais, com distância de 15 m eixo a eixo. Cada empena, com balanço de 24 m, é apoiada em quatro pilares e, nelas, estão engastadas as lajes protendidas, de apenas 22 cm, do segundo ao sétimo pavimento tipo. A arquitetura de interiores dos apartamentos de 36 a 250m² foi realizada por João Armentano. Gilberto Elkis foi o responsável pelo paisagismo do térreo e da cobertura. Os pisos são de madeira, os revestimentos das paredes de couro ou vinílicos, e no banheiro louças e metais foram projetados exclusivamente para o Unique.


 



Fonte: http://www.vitruvius.com.br/institucional/inst109/inst109.asp
http://www.abcp.org.br/sala_de_imprensa/noticias/hotel_unique.shtml